REVISTA

Retrô moderno

Que a internet revolucionou o acesso à informação, não é segredo para ninguém. Com o advento da venda online, que não é tão recente assim, foi a vez de o comércio se adaptar. Vários serviços já migraram do espaço físico para o virtual. São os mais variados tipos de oportunidades de compra e venda, do setor alimentício até o de confecções. Um dos últimos adeptos a esta prática, que se torna cada dia mais recorrente, é o serviço de brechó online. Sim, roupas usadas que são vendidas a um preço mais acessível também já podem ser encontradas na rede.

Apostando neste nicho crescente de comércio virtual – que aumentou 20% e movimentou mais de R$ 22 bilhões só em 2012 – as amigas Ketlen Suzy e Bárbara Santos, estudantes de design, criaram o Queen Jane. O projeto, planejado desde 2010, se tornou realidade no fim do ano passado. Seu diferencial é o conceito: inspirado na atmosfera indie-retrô, a loja virtual investe na customização e reinvenção de peças, e adota a linguagem dos editoriais de moda na divulgação dos trabalhos – um casamento perfeito entre o passado e a modernidade.
Incialmente, o new-brechó só disponibilizava roupas femininas, mas esse mês será inaugurada a seção masculina – além de Bárbara e Ketlen estarem estudando a possibilidade de trabalhar com acessórios, sapatos e bolsas. O site da Revista Leal Moreira conversou com as jovens empreendedoras, que explicaram um pouco desse universo. Confira:

Site Revista Leal Moreira - Vocês tiveram alguma inspiração de outro brechó?
Ketlen Suzy- Nós não tínhamos muitas referências na época. Os brechós online que costumávamos visitar tinham um perfil diferente do que buscávamos. Mas tivemos como inspiração vários outros sites de lojas virtuais.
Bárbara Santos - Depois que iniciamos os projetos, começamos também a fazer pesquisas de mercado pra conhecer concorrentes e buscar inspirações. Até hoje, não conhecemos nenhum outro brechó online que tenha uma proposta exatamente igual a nossa. Mas tem outras lojas que costumamos visitar e acabamos por buscar inspirações lá, mesmo.


SRLM - Como é que funciona a montagem da página? É por coleção de roupas temáticas, temporadas...?
Ketlen Suzy - Uma vez por mês nós fazemos um editorial com as roupas que garimpamos e customizamos. A coleção é totalmente livre e trabalhamos com as peças encontradas nos brechós.
Bárbara Santos - Como trabalhamos com peças de vários estilos, elas não tem uma unidade - por isso não chamamos de coleção. Mas nós juntamos as peças e fazemos um photoshoot, montando os looks de acordo com o estilo de cada peça ou como achamos melhor dispô-las. Nossa meta é conseguir realizar um editorial por mês, tendo em vista que cada editorial leva em média 40 peças. Mas, como nós estudamos e temos outras atividades extracurriculares, nossa falta de tempo ainda não nos deixou bater essa meta.
SRLM - Onde vocês encontram as roupas? Como é o processo?
Ketlen Suzy - A gente garimpa peças por vários brechós da cidade. Combinamos de visitar alguns brechós em certo dia e caçamos peças que tenha potencial pra loja: uma estampa legal, um corte bonito etc.
Bárbara Santos - Nós não compramos fardos de roupas (alguns brechós vendem fardos fechados, mas as peças não podem ser vistas antes da compra). Em todos os brechós que passamos, procuramos pelas peças disponíveis nas araras uma a uma, e geralmente experimentamos também - pra ver como é o caimento no corpo ou se vale a pena fazer ajustes. Esse processo acaba sendo mais caro e gasta mais tempo, mas vale a pena porque temos as peças exatas que queremos.
SRLM - E como as pessoas começaram a conhecer o Queen Jane?
Ketlen Suzy - Pois é, o projeto existe desde 2010. Nessa época, a ideia era diferente. Não pensávamos em ter site e nem em algumas outras coisas como fazer fotos um pouco mais trabalhadas e se preocupar mais com a identidade visual. E nós sempre comentávamos sobre o brechó com os amigos, falávamos muito nisso. Inclusive alguns amigos nos cobravam e sempre perguntavam: "e o brechó?". Criamos então certa expectativa inicial. E além do boca a boca, a criação da página no facebook e o site nos ajudam na divulgação também.
Bárbara Santos - Como o processo de criação da loja levou tempo, acabávamos comentando com os amigos, tanto que chegamos a vender muitas peças antes mesmo de lançar a loja. A maior divulgação foi o boca a boca mesmo, depois usamos a internet e as redes sociais pra divulgar mais.
SRLM - Por que na internet?
Ketlen Suzy - Porque com loja física nós teríamos um custo maior e problemas burocráticos. Na internet, nós temos mais flexibilidade. E temos a chance de trabalhar com esse nicho de mercado e alcançar um público maior, que passa muito tempo na internet e tem o hábito de buscar novidades na internet e fazer compras online.
Bárbara Santos - É fácil, rápido, mais barato e nós adoramos comprar pela internet.
SRLM - Vocês apresentam o brechó em forma de editorial de moda, o que as diferencia dos outros brechós, de onde veio essa alternativa?
Ketlen Suzy - A Queen Jane é um brechó que não trabalha apenas com roupas usadas. Nós reformamos, transformamos uma peça em outra, ajustamos, aplicamos coisas... Customizamos cada peça agregando valor e dando ainda mais personalidade a cada uma elas.
Bárbara Santos - O principal diferencial é a customização e reforma. Muita gente tenta comprar roupas em brechós, mas sai de mãos vazias achando que nada pode ficar bom nela ali dentro. Esse processo precisa de uma atenção especial, tem que treinar o olhar pra imaginar o que pode ser feito com aquela peça que não parece tão boa. Além disso, gostamos de investir na identidade visual. Desde o próprio logotipo do brechó até as fotos, tudo é pensado com carinho.
SRLM - Já pensam em novas propostas para o futuro?
Ketlen Suzy - Sim, com certeza. Mas estamos estudando cada possibilidade para não dar um passo maior que as pernas. Ainda estamos na faculdade e, pra que os resultados sejam positivos, precisamos de tempo pra desenvolver cada etapa do processo até que as peças estejam prontas para a venda.
Bárbara Santos - Pensamos nisso o tempo inteiro, mas é preciso fazer as coisas com calma. Até porque nosso tempo não é muito vasto. Não adianta propor uma coisa que não conseguiríamos cumprir.


SRLM - Por que você acha que alguém deveria comprar de brechó e não um produto novo?
Bárbara Santos - Bem, isso é bastante individual, na verdade. Tem gente que simplesmente não gosta de produtos usados, e os que gostam podem ter motivos diferentes pra gostar. Nós respeitamos muito isso. Mas as pessoas que gostam de produtos com características retrô e que se preocupam com sustentabilidade provavelmente irão gostar da Queen Jane.

 

Foto:Ygor Mendonça/ Modelos Domenica Nepomuceno e Maíra Cavalca.

Acesse aqui.


Comentário