REVISTA

Polpettas, porpettas, almôndegas... polpetones!

 
De tão antiga [e incerta], não dá para discutir a origem do prato. Uma coisa é certa, entretanto: as bolotas que podem ter carne [vermelha, peixe]  ou vegetais são tão tradicionais [eu ousaria até em dizer “obrigatórias”] na culinária italiana quanto as próprias massas.
 
Segundo especialistas e estudiosos, os primeiros registros das almôndegas remetem ao século XV e o formato não lembrava muito o atual – as porpetas eram feitas com bifes batidos [até que dobrassem de tamanho], de modo que pudessem ser recheados e fechados em um formato de trouxinha. O recheio? Pão dormido, amolecido no leite, cebola, alho e muitas ervas aromáticas. Se já era bom daquele jeito, imaginem no dia em que “perceberam” que a carne moída, misturada ao tal recheio, ficava ainda mais deliciosa!
 
A Itália tem muito isso [como aqui no Brasil também]: alguns pratos respeitam os ingredientes básicos, mas vão ganhando outros ou apresentações [além do próprio modo de fazer] peculiares, de uma região para outra. Só para fins de registro, as polpettas (a receita original) são bolinhas menores que são levadas a cozer [cruas] dentro do próprio molho. As almôndegas, uma derivação que os italianos criaram em outras terras [para matar a saudade da pátria] são fritas e assemelham-se muito aos bolinhos de carne [sem o molho de tomate]. Aliás, as almôndegas são parte fundamental da história dos hambúrgueres... mas isso é assunto para uma próxima conversa.
 
Porpettas... ah, as porpettas são bem paulistanas e só ganharam um sotaque diferente ;)
 
Fizemos esse passeio curtinho para chegar aos polpettones, que eu gosto de pensar como “um melhoramento genético” das bolinhas de carne (ou frango) originais. Os polpettones [suspiros] são grandes almôndegas recheadas [a criatividade é que vai determinar os recheios] que são levemente fritas ou cozidas [seladas] – uma a uma, por conta do tamanho – depois do cozimento em forno. E vão à mesa cobertas por molho...
 
Não importa a combinação – polpettones são sempre convites à boa mesa, conversa e vinho!

Comentário