´╗┐´╗┐

REVISTA

O destino do lixo

 
Entre os novos problemas da nossa sociedade, o lixo é um dos maiores. Literalmente. Os dejetos produzidos pelas pessoas se acumulam ao redor do mundo e poluem o meio ambiente, que representa uma questão muito delicada, pois ao mesmo tempo em que sua própria existência é prejudicial ao planeta, muitas formas de se “livrar” do lixo acabam sendo igualmente poluidoras. 
 
Um exemplo disto são as Ilhas Maldivas, um lugar quase paradisíaco em que atrai todos os anos milhares de turistas. Porém, a quantidade de lixo produzida na ilha é tão enorme que uma ilha vizinha inabitada teve que se tornar local de despejo. Thilafushi, ou ilha trash como é conhecida, está completamente tomada por detritos. Cerca de 300 toneladas de lixo é despejada todos os dias nela, fazendo com que o local aumente em torno de 1m² por dia.
 
 
Todos as noites, pilhas gigantes são queimadas na ilha trash emitindo gases nocivos para a atmosfera do planeta. A ilha já é alvo de iniciativas sustentáveis para tentar amenizar os danos ao meio ambiente, porém as proporções são tão grandes que dificilmente algo considerável será revertido. 
 
 
Isto tudo ocorre em apenas uma ilha. Esta situação se repete inúmeras vezes ao redor do mundo. No norte do Oceano Pacífico, há um amontoado de lixo do tamanho dos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo, somados. No Brasil, nós temos a Ilha das Flores, o lugar ficou famoso nacionalmente pelo documentário de nome homônimo de José Furtado. A poucos quilômetros de Porto Alegre, o local é habitado e enfrenta sérios problemas ambientais. 
 
Algumas iniciativas ecológicas pretendem reverter essas situações, como uma empresa holandesa que tem um projeto para reclicar as 4 milhões de toneladas de plástico no Oceano Pacífico e transformar em uma ilha artificial habitável. 
 
Enquanto projetos deste gênero e magnitude não começam, nós podemos fazer a nossa parte dentro de casa. Para isto, a Revista Leal Moreira te dá algumas dicas. Conheça o projeto “Reconstruções”, que reciclou grande parte do lixo do Rio Arari: http://bit.ly/1F0h5gk. Ou então saiba mais sobre ecodesign e paisagismo sustentável na matéria: http://bit.ly/1CTgYnA e na entrevista com a arquiteta Márcia Lima: http://bit.ly/1zNyieB.

Comentário