REVISTA

Estilo tamanho família

Em 2006, um casal saiu de Paragominas, na região nordeste do estado, para viver na capital paraense. A missão: estabelecer uma das lojas de decoração e móveis mais conhecidas do Brasil, a Artefacto. Foi então que Charlston e Elenice Betzel descobriram uma verdadeira paixão pelo negócio e pelos  produtos que configuram a realização do sonho de muitas pessoas.

O empreendedorismo fez com que eles ampliassem a franquia e inaugurassem uma megaloja de 3 mil metros quadrados. A área é ocupada pelos showrooms da Artefacto e Spaço Casa, que têm como marca o pioneirismo na produção de itens locais, tendo como matéria prima o vime e fibras naturais.

Segundo a revista Istoé Dinheiro, a empresa caminha para tornar-se a maior grife internacional do ramo, com grande participação no mercado de luxo, que só em nosso país movimenta mais de R$ 2,5 bilhões ao ano.

E o casal não para. Além das duas lojas já citadas, eles ainda têm a Favo. A loja é especializada em modulados, onde os dois desenvolvem habilidades comerciais no trato com fornecedores, designers, arquitetos e clientes.

Em entrevista ao site da Revista Leal Moreira, Charlston detalha como a expansão da loja foi pensada, cita algumas tendências do mercado e dá amostras do esmero e dedicação empregados no negócio. E ainda arruma tempo pra criar os dois filhos, Arnaldo e Gustavo, ao lado da esposa e parceira Elenice.

 

Como se configurou a sua trajetória como empresário no ramo da decoração?

Eu e Elenice entramos nesse negócio através de um convite para sermos investidores da franquia. Começamos a participar como gestores, quando visualizamos a carência do mercado de móveis de marca no estado. A partir de então, com todo o renome da marca que representamos – afinal, a Artefacto existe há mais de 30 anos -, a franquia de Belém ganhou respeito e seu crescimento era inevitável.

A Artefacto era conhecida por muitos clientes por oferecer móveis de qualidade, e eles deixaram de ir até São Paulo para mobiliar suas casas quando viram que a loja daqui mantinha o padrão. Nós fomos trabalhando e nos envolvendo cada vez mais com o negócio. E compramos a parte do nosso sócio quando sentimos necessidade de ampliar. Ainda no primeiro ano como franqueados, fizemos uma Mostra Artefacto com 20 arquitetos locais, e estreitamos os laços com eles e os clientes.

Facilitou representar uma marca tão conhecida?

Sim, pois, na época em que iniciamos, a Artefacto já atingia o número de 17 lojas e franquias no país. Aliamos isso à competência técnica, treinando nossos vendedores e consultores para atender o público com excelência. Também apostamos na honestidade e seriedade,  pois entregamos sempre no prazo e fornecemos todo o suporte para os nossos produtos.

 

Para o senhor, o mercado de luxo atravessa um momento frutífero em nossa capital?

Nós atravessamos uma crise mundial. Quando isso ocorre, é normal o mercado de luxo se retrair um pouco. Passamos por uma baixa, mas não vendemos o luxo por si só. Eu chamo de objetos de desejo, pela qualidade, pelo design e pela durabilidade que possuem.

 

Então mesmo com a crise, a clientela continua comprando...

Entendo que sim, pois o mercado imobiliário veio se ajustando com essa crise e hoje temos muitos clientes recebendo apartamentos que foram comprados há cerca de três anos, já com o desejo de mobiliá-los com produtos da Artefacto.

 

Ter mobílias boas ou ao menos um sofá excelente é sinônimo de qualidade de vida?

Com certeza. Isso não se trata de um luxo, mas de uma necessidade. Já recebemos clientes aqui na loja, proprietários de sofás de dez anos, querendo trocar o tecido por que o estofamento e a estrutura ainda estavam em ótimo estado. Isso prova que, por trás da marca, tem muita qualidade.

 

Qual a receita do sucesso, em manter o negócio com renome e expandindo?

É ser franqueado de uma marca que alia inovação, design,conforto e durabilidade. Além disso, temos uma variedade de produtos enorme. Fizemos esse investimento na nova loja, que reúne os dois showrooms, acreditando no mercado de Belém.

 

E observando esse movimento, quais as principais tendências globais em termos de decoração e design que tem chamado atenção por aqui?

As pessoas, tanto as de Belém como de outros locais, como Manaus, Macapá, Marabá e Paragominas – onde temos clientes – têm um gosto refinado, semelhante ao que se vê em São Paulo, com interesse por peças mais cosmopolitas.

Os tons mais claros mesclados com alguma peça de tom mais forte, além da utilização de sedas e chenille são tendências muito procuradas na nossa loja. Eu, pessoalmente, gosto de simplicidade, de linhas clean, de um design arejado. Para mim, opulência não é elegância. E um dos nossos campeões de vendas, que é o sofá de linhas retas, além de ter uma preocupação ergonômica, une um design limpo ao conforto.

 

 


Comentário